British Museum, Museu Britânico Londres

O British Museum (Museu Britânico) fascina-me. Quando viajo não sou muito de visitar museus; prefiro perder-me nas ruas e nos mercados e ver as caras das pessoas reais, vivas. Mas os museus podem, sem dúvida, mostrar-nos um pedaço da cultura dum país, duma região ou mesmo do mundo. A solução é aprendermos, antes de partirmos, se vale ou não a pena usarmos o nosso precioso tempo a percorrer corredores a olhar para vitrines. No caso do British Museum (Museu Britânico) considero que é quase obrigatória uma visita.

british museum

História do British Museum

O British Museum, fundado em 1753 após a aprovação do rei George II, foi o primeiro grande museu público, gratuito, secular e nacional em todo o mundo, tendo sido fundamental no estabelecimento do método museológico.

Aberto em 15 de Janeiro de 1759, reuniu três colecções: a Cottonian Library (colecção de manuscritos medievais de Sir Robert Cotton), os manuscritos da colecção do Conde de Oxford, e a enorme colecção de Sir Hans Sloane (composta de antiguidades clássicas e medievais, moedas, manuscritos, livros, quadros e gravuras, etc).

O British Museum viria a combinar exposições (para entretenimento educacional do público em geral) com uma biblioteca (para pesquisa de um público erudito e académico). Esta combinação de características é, hoje, considerada como praticamente obrigatória para qualquer museu.

O facto do nome do museu representar bem o seu carácter nacional tem uma razão muito forte. A partir do desenvolvimento do Museu do Louvre (Paris), chamado inicialmente  Musée Napoléon , a rivalidade entre os dois países passou pela constituição do “museu nacional”. Com a capitulação de Napoleão,  houve um superior estímulo para a reconstrução do British Museum (para além do crescimento considerável das suas colecções).

A tentativa de reunir todos os tipos de colecções possíveis foi uma forma de apresentar, através de objectos, todo o conhecimento da humanidade. Mas o enorme número de objectos distintos viria a tornar necessária a transferência de algumas colecções para a National Gallery (Galeria Nacional – 1824) e para o Natural History Museum (Museu de História Natural – 1880).

British Museum hoje

Hoje em dia, podemos encontrar no British Museum mais de sete milhões de objectos de todos os continentes. No entanto, nem todos os artefactos estão em exposição devido à falta de espaço para os exibir. Muitos estão armazenados nos depósitos situados nos porões do museu.

Algumas das peças mais famosas expostas são os frisos do Partenon de Atenas (conhecidos como a colecção de mármores de Elgin) e a Pedra de Roseta. Este último artefacto é um bloco de granito negro que proporcionou aos investigadores um mesmo texto escrito em egípcio demótico, grego e em hieróglifos egípcios. Foi este texto da Pedra da Roseta que forneceu a chave para se decifrarem os hieróglifos a partir do grego antigo, que era muito conhecido pelos historiadores.

british museum
museu britanico londres

Em Dezembro de 2000, o Museu Britânico inaugurou o Great Court, a maior praça coberta da Europa, que ocupa o espaço central do edifício, ao redor da Reading Room (Sala de Leitura) da Biblioteca.

british museum
british museum
british museum

Assim como muitos outros museus e galerias do Reino Unido, o British Museum tem entrada gratuita, excepto em algumas exposições temporárias especiais. Está aberto todos os dias entre as 10 e as 17.30 mas, às quintas e sextas, fecha apenas às 20.30. Dispõe de um restaurante com comida pronta dentro do edifício para nem sequer termos que sair para comer. As mesas do Great Court podem ser ocupadas livremente por quem trouxer o seu próprio lanche.

O Museu Britânico possui um serviço educativo responsável por apresentações didácticas da colecção para escolas, famílias e adultos. Também oferece um curso de pós-graduação sobre arte clássica e decorativa da Ásia.

O British Museum é, na minha opinião, um lugar interessantíssimo que permite que os visitantes tomem contacto com as mais variadas formas de arte de todo o mundo, ao longo dos séculos. Se não tiver muito tempo para o explorar, escolha uma das galerias para ver com atenção ou percorra os corredores em passo apressado.

Galerias British Museum

  • Américas
  • Egipto Antigo
  • Roma Antiga e Grécia Antiga
  • Ásia
  • Médio Oriente
  • Europa
  • África
  • Temas
  • Exposições temporárias

Mas o ideal mesmo seria passar uma tarde no Museu Britânico e ir lendo todas as legendas e pequenas explicações em cada uma das peças. Para conhecer o British Museum mais em detalhe, pode seguir algumas propostas de itinerários ou tours (1 hora, 3 horas, objectos para ver com crianças) ou solicitar visitas guiadas (guias audio, visitas de grupos, visitas guiadas e visitas guiadas grátis (feitas por voluntários e com a duração de 30 a 40 minutos).

Como chegar ao British Museum

A morada do British Museum é Great Russell Street, London, WC1B 3DG. Para lá chegar, o melhor é ir de metro (Tube). As estações mais perto são:

  • Holborn (7 minutos a pé)
  • Tottenham Court Road (6 minutos a pé)
  • Russell Square (10 minutos a pé)
  • Goodge Street (13 minutos a pé)

Ficou com vontade de visitar Londres? Então descubra o que visitar em Londres, um dos artigos mais lidos do Foto Viajar.

Reservar hotel em Londres pode ser caro. Para poupar dinheiro é melhor fazer a reserva com muito tempo de antecedência para poder escolher comparando preços de hotéis em Londres neste site que uso sempre para fazer reservas.
Este cartão ajuda-o a poupar tempo e dinheiro quando visitar Londres. 
Leia o artigo London Pass Londres. 
Se preferir, vá diretamente para o site oficial do London Pass para saber mais.

Como organizar as suas viagens?

Estes são os sites e serviços que uso. Se o inspirei a planear a sua viagem, siga os links abaixo. Assim, ajuda-me a manter este blog pagando você exatamente o mesmo pelas reservas. Muito obrigado!

  • Para reservar alojamento uso o Booking. Tem os melhores hotéis e promoções.
  • As minhas buscas e reservas de voos são feitas no Skyscanner.
  • De longe, o melhor site para alugar carro é o Rentalcars.
  • Para evitar filas em monumentos e ter transfers de/para aeroportos uso o Ticketbar.
  • Comparo e faço seguros de viagem na Worldnomads ou na Iati Seguros. Nesta última, vai ver logo os preços com 5% de desconto por ser leitor do Foto Viajar.
  • Uso o Cartão Revolut fora (e dentro) da Zona Euro para evitar taxas bancárias.

Esta página contém links de afiliados.


Foto Viajar no Instagram

Instagram Foto Viajar