Roteiro Interrail Europa, viagem de comboio – Paris, França

Na primeira metade de Agosto fui numa viagem de interrail na Europa com a minha namorada e desde que a acabámos que tinha vontade de escrever sobre esta viagem. Comprámos um bilhete de 15 dias de Interrail para fazermos a viagem de trem/comboio no Verão, entre 2 e 16 de Agosto.

O percurso ogininal passava por Paris, Bruxelas, Gent, Bruges, Amesterdão (Amsterdã), Berlim e Praga. A partir de Praga ainda não tínhamos decidido o que fazer porque não sabíamos quanto tempo demoraria o regresso de trem/comboio até Espanha (moramos na Corunha).

A partida

No domingo, 1 de Agosto, eram quase 2:00 AM quando acabámos de organizar as nossas mochilas para o Interrail. Tudo lá dentro: comida, roupa, documentos e respetivas cópias, etc. Saímos de casa às 7:00 AM para ir para a estação ferroviária da Corunha onde entraríamos no primeiro de muitos trens/comboios.

Começámos por ir para sul até Ourense (Espanha) e depois para norte até Hendaye, já na França. Demorámos tanto tempo a chegar à França (mais de 11 horas) porque o trem/comboio vai mesmo até ao sul da Galiza antes de seguir para norte até à fronteira francesa.

En France!

Depois de 11 horas de trem/comboio, dois filmes dobrados em espanhol (só no regresso é que descobri que podia mudar o canal para inglês), uma PSP sem bateria e algumas horas a estudar francês (o que tinha aprendido na escola estava enferrujado) ainda tínhamos que comprar os bilhetes Hendaye-Paris. Pedi-os à funcionária da bilheteira em francês. Devo tê-lo feito de tal maneira bem que ela me respondeu com tanta informação e a uma velocidade tão grande que eu não percebi grande parte. Tentei então o plano B: “Anglais, S’il vou plaît?”. A tradução do que me tinha dito antes foi:

“O comboio para Paris está cheio, o próximo é às 7:30 da manhã…”

Bem, soava bastante melhor em francês…

“OK”, disse eu, “…mas não há outros comboios a partir para Paris?”.

“Não, mas pode ser que haja camas disponíveis. Vai ter que esperar pelo funcionário do comboio/trem e perguntar-lhe se ainda há camas.”

As coisas não estavam a correr bem. Já era de noite e, pelo que se conseguia ver da estação, Hendaye não parecia lá muito interessante para passar a noite e partir para Paris só às 7:30 ia acabar com os nossos planos: visitar Paris num dia e partir no seguinte.

Tivemos muito que esperar até ao funcionário do comboio/trem chegar. Assim que pude aproximei-me e perguntei-lhe acerca das camas, com uma cara de cãozinho perdido para o comover. Mas a sua resposta foi: “Daqui a 10 minutos…”. Passaram vinte e perguntei-lhe outra vez. A sua resposta: “10 minutos, se faz favor”.

Depois dum bom bocado puseram uma pequena mesa ao lado do comboio/trem e começaram a verificar os bilhetes. “Primeiro as pessoas que têm bilhetes!”. Foi aqui que percebemos que havia muitos viajantes na mesma situação que nós.

Finalmente foi a nossa vez e… sim, tinham camas! Pagámos a reserva e corremos lá para dentro antes que mudassem de ideias sobre a existência de camas gratuitas no trem/comboio.

As camas certas

A Helena tinha os bilhetes e foi-nos guiando pelas várias carruagens até que encontrou o nosso compartimento. Empurrámos as mochilas para debaixo das camas, apagámos as luzes, trancámos a porta e preparámo-nos para dormir. Estávamos mesmo felizes porque tínhamos tido muita sorte e íamos a caminho de Paris. Ainda por cima sem pagarmos compartimento no trem/comboio! E então… alguém bateu à porta. Eram duas moças e dois moços que nos disseram que estávamos no sítio errado. “Coitados, não leram bem o bilhete…”, pensei eu.

A Helena mostrou-lhes que os números das camas estavam certos. Só que… afinal a carruagem estava errada! Estávamos 6 mais à frente! Pedimos desculpas e fomos à procura da carruagem certa. Estava trancada. Batemos à porta e nada. Demorámos quase meia hora até encontrarmos o funcionário do comboio/trem. Finalmente, entrámos e dormimos sozinhos na carruagem até às 6.30, altura em que o despertador tocou.

Paris

Chegámos a Paris, à Estação de Austerlitz às 07:15 AM, comprámos os bilhetes para o metro e fomos até ao Auberge Internationale des Jeunes (veja mais hotéis em Paris), a 10 minutos da Praça da Bastilha. Deixámos as mochilas numa sala de bagagens (o quarto só estava disponível a partir das 4.00 PM) e entrámos no café em frente da pousada para tomar o pequeno-almoço antes de visitar Paris.

interrail paris comboio
Interrail Europa – Arco do Triunfo, Paris
paris interrail, trem, comboio
Interrail Europa – Paris, Museu do Louvre

Com apenas um dia para visitar Paris, andámos quilómetros mas deu para ver uma boa parte da cidade.

  • Praça da Bastilha
  • Catedral de Notre Dame
  • Praça da Concórdia
  • Museu do Louvre
  • Campos Elísios
  • Arco do Triunfo
  • Torre Eiffel

Esta cidade tinha mesmo um série de museus magníficos para nos mostrar.

interrail paris trem
Interrail Europa – Torre Eiffel, Paris

Durante este passeio a pé em Paris, encontrámos um lugar na margem do rio Sena onde as pessoas estavam a jogar matraquilhos em mesas de 2 a 12 jogadores. Sendo português, a possibilidade de jogar matraquilhos em Paris era muito apelativa e, por isso, fomos até lá. Não podia ser assim tão caro… Afinal era grátis, uma iniciativa da Câmara Municipal de Paris ou algo parecido. Muito simpático.

interrail europa paris
Interrail Europa – Matraquilhos no Rio Sena, Paris

Depois de desistirmos do nosso plano de subir até ao topo da Torre Eiffel por causa das longas filas e dos nossos corpos já cansados, quando estávamos mesmo a ir embora, apareceu um grupo de break dancers que deu um grande espetáculo. Foi uma visita diferente à Torre Eiffel como podem ver.

interrail comboio europa paris
Interrail Europa – Break-dancers por baixo da Torre Eiffel, Paris

Depois da Torre Eiffel, fomos para a pousada da juventude e finalmente entrámos no quarto com intenções de tomar um duche e descansar um pouco antes de jantar. Foi quando descobrimos que afinal o quarto não tinha casa de banho. Era capaz de jurar que era suposto ter e fui ler os dados da reserva (booking terms). Diziam qualquer coisa como isto: “Quartos para 2, 3 ou 4 pessoas com casa de banho. Quartos para 4 pessoas têm casa de banho no próprio quarto; os hóspedes dos outros  podem usar as casas de banho comuns do mesmo andar.”

Por alguma razão eu tinha pensado que o nosso quarto para 2 pessoas, pelo qual tinha pago 35€ por pessoa, teria casa de banho… De qualquer forma, era só por uma noite. Tomámos banho, jantámos e adormecemos pela única vez em Paris. Só mais um detalhe: o quarto tinha beliches. Um quarto duplo com beliches!

Por volta das 5 da manhã um barulho enorme e assustador acordou-me e ouvi a Helena a queixar-se a alguém. É que o nosso quarto era mesmo ao lado dos chuveiros e os canos eram tão barulhentos como um tanque Panzer (suponho eu, claro). Apesar de, em todos os quartos haver um aviso que dizia “Evite tomar duche depois das 10 da noite”, as pessoas pensavam que “evite” era uma mera sugestão. Então, a Helena e uma espanhola que também tinha sido acordada foram dizer a quem estava a tomar duche para parar.

Pois é, com 25 anos já não acho graça nenhuma a pagar 35€/noite por um quarto com beliches, barulhento, sem internet e com casa de banho partilhada. A propósito, todos os hotéis (repare, hotéis e não hostels/pousadas da juventude) onde ficámos depois deste em Paris foram mais baratos e muito melhores do que este hostel. Porque é que as pessoas ficam nestes lugares?

Apercebemo-nos que se formos ao Booking.com poderíamos comparar preços de hotéis em imensos sites ao mesmo tempo e encontrar bons negócios ou até last hour offers para quartos duplos bem mais baratos do que numa pousada da juventude ou hostel. Por vezes encontrávamos quartos 5-10€ mais caros mas, mesmo assim, prefiro pagar um pouco mais para ficar num quarto com casa de banho e numa cama dupla num local silencioso.

Au revoir Paris!

Na manhã seguinte decidimos ir ver o Sacré-Coeur (Sagrado Coração). Como já tinhas feito o check-out, tivemos que descer os 3 lances de escadas com as nossas mochilas às costas. Exercício matinal, pessoal.

A vista de Paris desde Sacré-Coeur compensou e este foi o último lugar turístico onde estivemos em Paris. Próximo destino: Bruxelas. Mas não sem antes ter outra aventura primeiro.

trem europa paris
Interrail Europa – Paris, Montmartre, Sacré-Coeur

Para chegar a Bruxelas com a reserva mais barata (3€ vs 60€) precisávamos de fazer o caminho Paris-Lille-Tournai. Só a partir daí seguiríamos direto para Bruxelles Midi. Não era nada complicado mas não sabíamos que tínhamos que pagar a reserva Lille-Tournai e, por isso, a Helena foi para a fila dos bilhetes enquanto eu fui para a das informações.  Demorou um bocado até à funcionária das informações perceber qual era o problema e acabámos por perder o trem/comboio para Tournai. “Ok, sem problema, apanhamos o seguinte”. E ficámos atentos ao quadro de partidas.

Em França e, mais tarde perceberíamos, na República Checa, o número das plataformas dos trens/comboios só aparece a cerca de 10 minutos antes da partida. Quando chegou a altura, o quadro dizia: “Destination: Tournai, Train: Autocar“.  “Hum… Nome engraçado para um trem/comboio”, pensei eu, já que a última palavra era muito parecida com o português autocarro (ônibus, no Brasil).

Então fui chatear o funcionário mais uma vez, que me disse que afinal era mesmo um autocarro, tinha havido um acidente na linha do comboio/trem e tinham reservado um autocarro para os passageiros irem até Tournai. Foi um passeio interessante de 40 minutos por entre os campos perto da fronteira entre França e Bélgica.

Finalmente, quando chegámos a Tournai, apanhámos o trem/comboio até àquela que seria a próxima etapa: Bruxelas.

[Artigo traduzido e adaptado do original em inglês Interrail – France (the beginning).]

O autor deste artigo é o meu amigo Joaquim Rocha, um programador apaixonado de software livre. Habituou-se a viajar desde que começou a aventura de trabalhar em Espanha, depois na Suíça e Alemanha. Agora, mal pode esperar pela próxima viagem ou, até quem sabe, pelo próximo país para viver.

Todos os artigos do Roteiro Interrail na Europa

  1. Interrail França – Paris
  2. Interrail Bélgica – Bruxelas, Gens e Bruges
  3. Interrail Holanda – Amesterdão
  4. Interrail Alemanha – Berlim
  5. Interrail República Checa – Praga
  6. Interrail Alemanha – Munique
  7. Interrail França – O fim

Como organizar as suas viagens?

Estes são os sites e serviços que uso. Se o inspirei a planear a sua viagem, siga os links abaixo. Assim, ajuda-me a manter este blog pagando você exatamente o mesmo pelas reservas. Muito obrigado!

  • Para reservar alojamento uso o Booking. Tem os melhores hotéis e promoções.
  • As minhas buscas e reservas de voos são feitas no Skyscanner ou no Momondo.
  • De longe, o melhor site para alugar carro é o Rentalcars.
  • Para evitar filas em monumentos e ter transfers de/para aeroportos uso o Ticketbar.
  • Comparo e faço seguros de viagem na Worldnomads ou na Iati Seguros. Nesta última, vai ver logo os preços com 5% de desconto por ser leitor do Foto Viajar.
  • Uso o Cartão Revolut fora (e dentro) da Zona Euro para evitar taxas bancárias.

Esta página contém links de afiliados.


Foto Viajar no Instagram

Instagram Foto Viajar