Como comprar máquina fotográfica, como escolher máquina digital

O mercado das máquinas fotográficas digitais é enorme. Mas como se devem analisar as imensas características técnicas de todas? Qual é melhor para as suas necessidades? Saiba tudo antes de comprar máquina fotográfica digital.

Desde o aparecimento das máquinas fotográficas digitais, já tive várias. As primeiras eram compactas e, simplesmente, de apontar e disparar (point and shoot). Depois, passei para outras com funções manuais, onde já podia pôr em prática os meus conhecimentos técnicos, entretanto aprendidos.

Entretanto, entrei no mundo das SLR e comprei uma Nikon D7000… E 4 anos mais tarde mudei para a mirrorless Fuji X-T1 (agora já vai na versão X-T3), bastante mais compacta e leve e com excelentes objetivas. Mas isso fica para outro artigo.

De um modo geral, as explicações que dou aqui relativamente às características técnicas a ter em conta quando escolher a sua máquina fotográfica estão atuais. Elas são destinadas a alguém que tenhas poucos conhecimentos. Um fotógrafo entusiasta já saberá fazer as suas escolhas com mais facilidade.

Escolher a máquina fotográfica ideal para si

As lojas/sites costumam ter uma introdução com as características mais atraentes para o público-alvo das máquinas fotográficas. Normalmente, evidenciam o seguinte: tipo de sensor, resolução máxima de fotografia e vídeo, amplitude do zoom, processador, tipo de ecrã e/ou visor, estabilizador da lente,…

Mas como é que estas e outras características ajudam a escolher e comprar uma máquina fotográfica? Passemos à análise.

Quais são os tipos de máquinas fotográficas digitais?

Basicamente, os vários tipos de máquinas são as seguintes.

  •  ultra-compactascompactas – a diferença é, essencialmente, o tamanho.
  •  Bridge – sensor superior e características mais avançadas, mais pesadas e volumosas por terem uma lente mais versátil com um zoom potente, ainda que não permitam a troca da objectiva.
  • SLR (ou Reflex) – SLR significa Single Lens Reflex. Ou seja, existe um sistema de espelhos e pentaprisma para enviar a imagem para o visor. São as maiores e mais pesadas, mais avançadas e permitem usar diferentes lentes macro, telefoto ou zoom, wide ou grande angular,…
  • Mirrorless – Ao contrário das SLR, as mirrorless, como o nome indica, não possuem espelho. Por esse motivo, comparativamente, são normalmente mais leves e compactas do que as SLR. Como resultado, o sensor também costuma ser mais pequeno, diferença que só pode ser importante para fotógrafos profissionais.

O que é a resolução da máquina fotográfica?

Um pixel é a menor unidade de uma imagem digital. Por exemplo, uma máquina digital pode registar, no máximo, 26.100 pixeis (pontos) em cada foto (1.000 pixeis = 1 megapixel). Este parâmetro da resolução está expresso na resolução máxima da fotografia.  Associado a este parâmetro também podemos ver expresso que a resolução é de 6240×4160 pixels (ou seja, um rácio de 3:2). Quer isto dizer que a máquina digital capta, respetivamente no comprimento e largura, 6240×4160 pixels (=26.100) .

Mas a corrida à máquina digital com a maior resolução não tem razão de ser. Os fabricantes usam este falso argumento para lançar máquinas fotográficas novas mais caras, atraindo o potencial comprador que pensa, erradamente, que o número de pixeis é a característica mais importante. Na realidade, qualquer resolução hoje em dia é mais do que suficiente para imprimir fotografias de 20 x 30 cm ou mesmo maiores.

Além disso, qual é a percentagem das suas fotografias que imprimiu em vez de as deixar no computador, disco rígido portátil, DVDs ou de as enviar por email?

O número extra de pixeis poderá, no entanto, ser útil para reenquadrar a sua foto. Ou seja, se o zoom óptico não tiver sido suficiente para aproximar o motivo ou se captou algo mais do que queria, poderá cortar a imagem (no computador) consoante as suas preferências e, mesmo assim, manter a resolução num nível suficiente.

Qual é a importância do tamanho do sensor da máquina fotográfica?

O tamanho físico do sensor pode ser muito importante, especialmente numa máquina digital mais cara ou a um nível profissional. Se compararmos dois sensores com o mesmo número de pixeis (produzem imagens com a mesma resolução) os sensores maiores proporcionam melhor qualidade. Especialmente no recorte e na reprodução das cores.

Tal acontece porque, quando as células sensíveis estão muito próximas, a carga de cada uma afecta também as suas vizinhas, causando um fenómeno chamado smudging (a imagem fica “esborratada”). O tamanho físico do sensor também é determinante para a produção de ruído nas fotos, o efeito “granulado” que se vê nas imagens registadas com valores ISO mais altos.

Hoje em dia, algumas marcas já deixaram de parte o “chamariz” comercial do número de pixeis. Aliás, por vezes, lançam mesmo uma versão mais recente com menos pixeis do que a anterior da mesma gama. O sensor é, assim, suficientemente grande para uma máquina digital compacta e, com uma resolução máxima inferior (mas muito mais do que suficiente) evita o smudging e altos níveis de ruído.

Quais são os tipos de sensores numa máquina digital?

Há vários tipos de sensores: CCD, CMOS, LiveMOS, etc. Os primeiros dois são os mais comuns. Sem entrar em grandes pormenores técnicos, o trabalho do sensor é converter a luz que entra pela objectiva em electrões. Antigamente, existia uma tendência para usar os CCD em máquinas digitais direcionadas para imagens de alta qualidade, com imensos pixeis e uma excelente sensibilidade à luz.

Os sensores CMOS eram um pouco inferiores nestas características mas, por outro lado, eram mais baratos e a bateria ou pilhas da máquina  fotográfica duravam mais tempo. Atualmente, não se deve preocupar muito com o tipo de sensor pois ambos são equivalentes, mas evite as marcas mais baratas com sensores CMOS.

Que formatos de fotos existem?

Nas antigas máquinas fotográficas de filme (rolo) as proporções entre comprimento e largura das fotos era de 3:2. Este formato ainda se mantém em muitas marcas. Outras, optaram por produzir imagem no formato 4:3 (adotado também nas câmaras dos telemóveis).

Deve ter noção desta diferença de proporções ao imprimir fotografias nas tradicionais dimensões de 10×15 cm (ou 20×30,etc). Não se preocupe, pois a loja de impressão ajuda-o. Também já existem tamanhos apropriados para o formato 4:3 das máquinas digitais (9x13cm, 11x17cm,…).

escolher maquina fotografica
Fotografia de Shirakawa-go, Japão. Tirada pela Fujifilm X-T1 e editada em Photoshop Lightroom.

O que é a velocidade do obturador duma máquina fotográfica?

O obturador é um dispositivo mecânico (embora algumas máquinas também o tenham “virtual”) que abre e fecha. Controla- assim o tempo de exposição à luz do sensor das máquinas digitais (ou do filme nas analógicas). É uma espécie de “cortina” que se abre quando se carrega no disparador. Quanto mais tempo o obturador estiver aberto, mais luz entra.

Um tempo de abertura relativamente longo de 15 segundos, por exemplo, permitirá tirar fotografias à noite sem qualquer flash, desde que a câmara digital esteja perfeitamente imóvel.  Por outro lado, por exemplo, o mínimo de 1/1600 de segundo, consegue “congelar” por completo motivos que se movem rapidamente (fotografias de desporto, água corrente,…).

Qual é a importância dos valores de abertura duma lente?

A abertura da lente (ou objetiva) numa máquina fotográfica digital ou analógica é essencial. O número f indica a capacidade da câmara para captar a luz. Por exemplo, f/2,8 em grande-angular (zoom no mínimo, lente aberta) e f/5,6 em teleobjetiva (zoom no máximo, lente fechada). Também existem objetivas mais avançadas cuja abertura da lente não muda em função do zoom.

Quanto menores forem ambos os valores, melhor, pois entrará mais luz na objectiva e poderá fotografar com um valor ISO mais baixo, não precisará de estar tão imóvel quando carregar no botão de disparar, não necessitará obrigatoriamente de usar o flash em situações de pouca luz (fotos com cores mais reais). Uns bons valores de abertura são importantíssimos para tirar fotografias dentro de casa ou de noite.

O que é o ISO numa máquina fotográfica?

O ISO é uma medida standard que indica a sensibilidade do sensor da máquina fotográfica à quantidade de luz disponível. Quanto mais alto for o ISO, mais sensível é o sensor e poderá, assim, tirar fotografias quando há pouca luz.

No entanto, terá que lidar com um maior ruído, o tal efeito “granulado”que, por vezes, dá um agradável resultado “dramático” às fotografias. Ou seja, se quiser tirar uma fotografia num lugar onde não puder utilizar o flash ou o motivo não possa ser alcançado por este, aumente o nível ISO.

Para que serve o estabilizador numa máquina digital?

A função do estabilizador é compensar automaticamente os movimentos do fotógrafo quando este tira a fotografia. Estes movimentos são difíceis de evitar sem um tripé e fazem com que as fotos fiquem desfocadas. Quanto mais zoom fizer e quanto menos luz houver, maior o risco de desfocagem. Existem estabilizadores ópticos, mecânicos e digitais, sendo os dois primeiros claramente superiores.

Nas máquinas fotográficas com objetivas intermutáveis, o estabilizador pode estar na própria máquina ou em algumas das objetivas. No último caso, estas acabam por ficar um pouco mais caras.

O que é a distância focal e a distância focal equivalente em 24×36?

A distância focal é medida em milímetros e define o quanto se consegue ver a partir de uma lente. Quanto maior o valor, mais “fechado” será o ângulo de visão de uma lente. Quando esse valor é menor, mais “aberto” será o ângulo de visão de uma lente. Quanto maior for a distância entre os dois valores, mais versátil é a objectiva.

A distância focal indica, também, o valor mínimo e máximo do zoom. Os fabricantes mencionam o “equivalente em 24×36” simplesmente para facilitar a comparação com os valores usados nas máquinas fotográficas analógicas (de 35mm). A passagem de um valor para outro obtém-se utilizando um coeficiente de multiplicação, o qual não vou explicar agora.

  • Os valores podem estar expressos da seguinte forma: Distância Focal Equivalente a 35 mm = 27-84 mm

O que é o zoom óptico duma máquina digital?

O zoom óptico, normalmente expresso em 3x, 4x, 5x, etc, é outra forma de indicar a distância focal (explicação acima). Corresponde ao número de vezes que a imagem que visualiza na máquina é multiplicada desde o maior ângulo (menos zoom) até ao menor ângulo (mais zoom).

Por outras palavras, este valor refere-se à capacidade da lente de aproximar o motivo através do zoom. É normalmente expresso em máquinas fotográficas compactas de lente fixa.

O que são a distância mínima e a distância normal?

A distância mínima a que consegue tirar uma fotografia é bastante fácil de perceber. Se for, por exemplo, de 3 mm, é muito útil para tirar fotos de pormenores, folhas de árvore, insectos e objectos muito pequenos. Corresponde à função macro em muitas máquinas. A distância normal não requer explicações.

Quais os tipos de focagem duma máquina fotográfica?

Há dois tipos de focagem: a automática e a manual. Na focagem automática temos várias opções (nem sempre disponíveis em todas as máquinas):

  • Single – a máquina fotográfica foca o motivo numa área central do ecrã. Normalmente, é o modo mais preciso porque o fotógrafo decide onde quer que a máquina foque.
  • Continuous (contínuo) – Foca continuamente o motivo, acompanhando-o. É útil quando se quer tirar fotos de algo ou alguém que se mova lentamente.
  • Spot – a máquina fotográfica faz a focagem numa área central muito precisa.
  • Multi area – a máquina foca continuamente usando múltiplos pontos focais. Este modo não é muito preciso.
  • Face-priority – prioridade à deteção e focagem do rosto do sujeito. Se este se mover, a máquina acompanha-o automaticamente.

A focagem manual não existe em todas as máquinas. É, essencialmente, usada para grandes planos ou no modo macro.

Ainda em relação aos aos pontos de focagem, quantos mais melhor para que a precisão seja superior.

Tipo de visualização numa máquina digital

Pode fazer uma pré-visualização da foto que está prestes a tirar de duas formas: pelo visor óptico ou através do LCD (ecrã de cristais líquidos). O visor ótico é o tradicional, por onde se “espreita” para tirar a foto, vendo-se apenas aquela imagem, sem distracções. Outra vantagem é que poupa bateria ou pilhas. Como desvantagens, posso referir que a informação apresentada é limitada quando comparada com a dum LCD e que, por vezes, mostra menos do que o realmente capturado na fotografia.

Com os visores electrónicos (live view), no LCD da câmara digital, o fotógrafo dispõe de mais informação. Mas este consome mais energia. Este ecrã na parte traseira da máquina fotográfica também é mais difícil de visualizar quando a luz solar incide directamente sobre ele. Pode, ainda, haver um outro visor electrónico mais pequeno por onde se visualiza a fotografia com um olho. O grande LCD serve igualmente para ver a foto depois de tirada.

Nas pequenas máquinas fotográficas compactas, normalmente, as marcas abdicam do visor ótico por uma questão de (inexistência de) espaço. Algumas máquinas têm um visor com um útil corrector de dioptrias, importante para quem vê mal sem óculos.

Ecrã (LCD) da máquina digital

O importante é saber o tamanho (hoje, quase todos, com 2,5 ou 3 polegadas – um pouco mais de 6 ou 7 centímetros). Quanto maiores, maior será o conforto de utilização. Os fatores a ter em conta são a resolução (quantos mais pixeis ou pontos, melhor a nitidez e mais visíveis os pormenores) e a cobertura (alguns ecrãs não apresentam 100% da imagem que será capturada).

Algumas máquinas digitais já possuem um ecrã táctil (acesso rápido aos menus) e outras têm um ecrã rotativo que permite tirar fotografias em condições difíceis (por cima duma cerca alta, a partir do nível do chão, auto-retratos,…)

Modos de exposição

Cada marca tem os seus modos de exposição e dá-lhes um nome diferente. O objectivo destes é fornecer ao fotógrafo configurações programadas de fábrica para diversas situações de luz e composição. Nomes comuns são: auto, programa, fácil, paisagem, noite, interior, retrato, crianças, vídeo, modos de cena e velocidade lenta. Outras máquinas poderão ter modos de neve, fotografia aérea, praia, fogo de artifício, etc..

Para quem, como eu, gosta de controlar manualmente a sua fotografia, existem máquinas com modos de prioridade à velocidadeprioridade à abertura, e completamente manuais (controla velocidade e abertura de forma independente).

Efeitos nas fotografias

Estes efeitos dizem respeito à tonalidade das cores para dar um “toque” mais artístico. As possibilidades variam consoante a marca, mas é comum haver afinações com nomes como  saturado, neutro, sépia, preto e branco, diapositivo, tom da pele mais claro/mais escuro, filme, grão, frio, quente, cor personalizada, etc.. Nunca usei muito estes efeitos. Prefiro tirar a foto normalmente e depois editá-la no Photoshop Lightroom.

Balanço de brancos

É a partir da cor branca que a máquina digital faz o equilíbrio das restantes. Mas as cores mudam ao longo do dia e também com as diferentes fontes de luz artificial. Se a máquina fotográfica não conseguir determinar as fontes de luz em questão no seu modo automático, ou se o fotógrafo pretender obter cores mais próximas da realidade, este terá de escolher uma nova opção de balanço de brancos.

Algumas especificações técnicas comuns são: Auto, Luz diurna, Fluorescente (Branco Frio, Luz do Dia, Branco Quente), Halogéneo, Nublado, Sombra, Incandescente, Fino, Temperatura de cor, Personalizado, Sombra, Subaquático,…

Na opção Personalizado, o fotógrafo aponta para um ponto branco na cena que quer fotografar e regista-o.

Modo de vídeo

Todas as máquinas fotográficas digitais possuem um modo de vídeo com som hoje em dia. A Resolução Máxima de vídeo pode estar expressa da seguinte forma: Ultra HD 4K 2160p, 59.94 fps. Quer isto dizer que a máquina em questão grava vídeo até 4k (3840×2160 pixeis).

O valor fps significa fotogramas por segundo. Por outras palavras, em cada segundo de gravação, a máquina registará até 59.94 “fotografias”/imagens. Como é comum que o número de fotogramas seja de 24/25 ou 30, registar quase 60 quer dizer que, na edição, podemos ter bons resultados se quisermos criar o efeito de “câmara lenta”.

A Resolução Máxima de Vídeo é… o máximo que a máquina pode fazer. Mas também terá outras opções à escolha. Estes são alguns exemplos: Ultra HD 4K 2160p,59.94 fps, 50 fps, 29.97 fps, 25 fps, 24 fps, 23.98 fps
Full HD 1080p, 120 fps, 100 fps, 59.94 fps, 50 fps, 29.97 fps, 25 fps, 24 fps, 23.98 fps.

Formatos de ficheiros de fotografia

A norma é JPEG (o mesmo que JPG). Neste formato, a imagem já sai da câmara com uma edição, definida antecipadamente entre as várias opções. As máquinas fotográficas mais avançadas permitem também fotografar em RAW. Neste formato, a fotografia sai “crua” da máquina. Pode depois ser editada num programa.

A grande vantagem do formato RAW é que a imagem possui uma qualidade muito superior e suporta muito melhor edições mais extremas. As maiores desvantagens são o superior tamanho do ficheiro (enche o cartão de memória mais rapidamente) e o facto da fotografia ter de ser editada antes de partilhada. As máquinas que permitem fotografar em RAW também registam fotos em JPEG.

Cartão de memória duma máquina digital

O formato do cartão de memória variavam consoante o fabricante, embora com preços e performances são semelhantes. Atualmente, praticamente só se usa os cartões Secure Digital (SD). Algumas máquinas (especialmente se compradas em segunda mão) ainda podem usar cartões Compact Flash (CF) ou Memory Stick (exclusivos da Sony).

Autonomia da máquina digital

Estes valores são meramente indicativos e variam bastante. As marcas tendem a ser um pouco optimistas nestes números divulgados. Tenha sempre uma ou duas baterias de reserva carregadas.

Acessórios incluídos na compra da máquina fotográfica

A maioria das máquinas fotográficas traz bateria, carregador e alça de pescoçoNa embalagem da Canon vêm os mais comuns. Um cabo USB para ligar a máquina digital ao computador, um cabo de vídeo para a ligar à televisão, pilhas alcalinas, um pequeno cartão de memória, uma correia para segurar a máquina fotográfica no pulso (use-a sempre) e um CD com alguns programas.

Software incluído

Normalmente todas as marcas fornecem um ou vários programas (mais ou menos básicos) para gerir as fotografias no seu computador.

Dimensões e peso da máquina fotográfica

Estes dois parâmetros são importantes, especialmente se desejar comprar uma máquina digital que possa trazer sempre consigo.

O que é o modo bracketing ou de disparo contínuo?

O modo de Disparo Contínuo permite tirar uma série de fotografias em sequência sem que o fotógrafo tire o dedo do disparador. É extremamente útil para situações em que o motivo se está a movimentar e/ou há pouca luz. Das muitas fotos que tirar, uma há-de ficar boa.

Algumas máquinas fotográficas possuem uma função de bracketing que tira 3 ou mais fotos com exposições diferentes (mais ou menos luz) para que o fotógrafo escolha depois a sua preferida ou para trabalhar uma técnica chamada HDR (High Dynamic Range).

Retardador ou Temporizador

Esta função é muito útil se o fotógrafo quiser tirar um auto-retrato ou juntar-se a um grupo de amigos numa fotografia. Para ter tempo de se colocar em posição, retarda o disparo da máquina 2, 5, 10 segundos…

Algumas máquinas fotográficas permitem a personalização do tempo do temporizador e também do número de fotografias a tirar.

Flash integrado na máquina fotográfica

Os diferentes modos de disparo do flash são relativamente fáceis de perceber: auto, on (ligado), off (desligado), redução de olhos vermelhos, sincronização lenta. Algumas máquinas (não compactas) permitem montar um flash opcional mais potente e, provavelmente, com maior rapidez de reciclagem.

O alcance do flash varia consoante a posição da lente: grande-angular (zoom no mínimo, aberto) e teleobjectiva (zoom no máximo, fechado). Outros fatores a ter em conta são aqueles que determinam a sensibilidade à luz como o ISO e a abertura da lente.

Tenha sempre a noção de que não adianta tirar fotografias com flash a um edifício que está longe ou num concerto (como tantas vezes se vê). O alcance do flash é sempre limitado.

Ligações

Hoje em dia, as máquinas podem ligar-se ao computador, normalmente, através de um cabo USB. Para além disso, muitas ligam-se ao telemóvel por Bluetooth ou Wifi.

Fotografar com o telemóvel é suficiente?

Muitas pessoas estarão a pensar porque precisam de uma máquina fotográfica se o telemóvel já dá bem conta do recado. Realmente, muitos telemóveis, essencialmente os topo de gama, tiram fotografias incríveis. Especialmente se tivermos em conta o tamanho reduzido dos seus sensores e das objetivas.

No final de contas, a escolha sobre usar uma máquina fotográfica digital ou um (bom) telemóvel está dependente:

  • das suas expectativas em relação à qualidade da imagem (se pretende editá-la muito, imprimi-la em grande formato,…);
  • do controlo que quer ter sobre o triângulo da exposição de uma fotografia (ISO, abertura, velocidade);
  • do controlo que quer ter sobre a escolha de lentes específicas.
comprar maquina fotografica
Fotografia de Quioto, Japão. Tirada e editada num telemóvel (Samsung S10). A qualidade é muito boa, especialmente se tivermos em conta que havia muito pouca luz, foi tirada em JPG e o tamanho do ficheiro foi extremamente reduzido para publicar online.

Em resumo, se não quiser evoluir muito enquanto fotógrafo ou editor e se as suas fotos nunca sairão dos ecrãs do telemóvel ou computador (ou de pequenas impressões), não fará grande diferença se tem uma câmara ou telemóvel nas mãos.

Caso contrário, asseguro-lhe que a sensação ao fotografar com uma máquina fotográfica “de verdade” é algo completamente diferente e satisfatório.

Comprar a máquina fotográfica. Vamos lá.

Agora já sabe como escolher máquina fotográfica digital e é capaz de perceber os diversos parâmetros a ter em conta e quais aqueles que não têm tanta importância assim. Mas deixo-lhe, ainda, outras dicas para poder escolher melhor a “tal” câmara digital.

  • Compare o preço em várias lojas e sites. Aproveite promoções.
  • Ao comprar a câmara digital vai precisar de acessórios como bolsas de transporte, cartões de memória, baterias extra, diferentes objetivas para máquinas SLR ou mirrorless,… Confirme se não compensa comprar tudo num pack que a loja tenha disponível.

Há muitas lojas online por onde escolher. Se preferir, para experimentar, procure uma loja física. Faz todo o sentido. Mesmo que depois opte por comprar online se for muito mais barato.

comprar maquina fotografica
Partilhe no Pinterest

Como organizar as suas viagens?

Estes são os sites e serviços que uso. Se o inspirei a planear a sua viagem, siga os links abaixo. Assim, ajuda-me a manter este blog pagando você exatamente o mesmo pelas reservas. Muito obrigado!

  • Para reservar alojamento uso o Booking. Tem os melhores hotéis e promoções.
  • As minhas buscas e reservas de voos são feitas no Skyscanner ou no Momondo.
  • De longe, o melhor site para alugar carro é o Rentalcars.
  • Para evitar filas em monumentos e ter transfers de/para aeroportos uso o Ticketbar.
  • Comparo e faço seguros de viagem na Worldnomads ou na Iati Seguros. Nesta última, vai ver logo os preços com 5% de desconto por ser leitor do Foto Viajar.
  • Uso o Cartão Revolut fora (e dentro) da Zona Euro para evitar taxas bancárias.

Esta página contém links de afiliados.


Foto Viajar no Instagram

Instagram Foto Viajar